O  que é importante ler logo?

Aquilo que deve ler logo de imediato é a proporção das gramas de proteína em relação às de hidratos de carbono. Isto por norma é o que mais pesa no preço do próprio pote. Se na tabela observarmos mais gramas de proteina comparando com as gramas de hidrato de carbono, à partida o pote irá ser mais caro. 

Não é por acaso que a carne (proteínas) é mais cara do que as massas (hidratos de carbono), ou seja os alimentos com mais percentagem de proteinas costumam ser mais caros do que os alimentos com mais percentagem de hidratos de carbono. 


Quanto ao assunto das proteínas podemos aprofundar. As proteínas são constituidas por aminoácidos e existem 20 aminoácidos dividos por aminoácidos não essenciais (são aminoácidos produzidos pelo próprio corpo) e aminoácidos essenciais (ou seja temos de adquir-los na alimentação, porque o corpo não os produz). No pote deverá estar indicado quantos aminoácidos é que contem e isto, dependendo do resultado final, também conta. Por exemplo, é crucial consumir mais proteina de aminoácidos essencial para a recuperação de microlesões.

Em resumo, é vantajoso escolher um pote com o maior número de aminoácidos.


Resultado final vs Pote

Se o objetivo for aumentar de peso convém escolher um pote com grande percentagem de hidratos de carbono, se o objectivo for definição muscular convém escolher um pote com maior percentagem de proteínas.

Atenção que existem outros componentes que não estão a ser abordados e que também pesam no resultado final (como a creatina, glutamina, aminoácidos, etc...).